É ler para crer!

Posts marcados ‘mudança de doutrina’

Ancião é questionado sobre as mudanças de doutrina

Por que se editou os artigos de fé?

A contracapa que me mostraram e o tópico que ocultei

   Há alguns dias um irmão veio a mim cheio de satisfação por considerar que trazia a prova que a inclusão do vocábulo“contendo” no 1º Ponto de doutrina foi acertada. Abriu sua Bíblia na contracapa e pausadamente começou a ler para mim:

   – A BÍBLIA SAGRADA CONTENDO O VELHO E O NOVO TESTAMENTO – fez um gesto com o indicador como que sublinhando o ‘contendo’ e disse: – Está vendo? Na própria Bíblia está escrito que ela contém a Palavra de Deus. O que me diz agora? – cobrou uma explicação.

   Será que a contracapa da Bíblia concorda com a contracapa do hinário 5? Não foi a primeira vez que escutei este argumento; eu sabia o que responder:

   – Irmão, o CONTENDO da contra capa da Bíblia significa COMPOSTA; feita das partes. Onde você entendeu: A BÍBLIA SAGRADA CONTENDO A PALAVRA DE DEUS entenda: A PALAVRA DE DEUS CONTENDO O VELHO E O NOVO TESTAMENTO.

   Após uma e outra argumentação ele apelou:

   – Eu conversei com o Ministério e foi me explicado como te falei. São todos homens colocados por Deus para atender a sua Obra. Se eles mudaram é porque tiveram a guia de Deus para fazê-lo e nós devemos acatar.

   Pena! Senti pena do meu amigo. Homem bom, esforçado nas coisas de Deus, mas extremamente religioso. Eu não tive ânimo para continuar aquela conversa, despedi-me dele pedindo suas orações.

   O que foi dito a ele em particular, depois foi dito publicamente a toda a irmandade quando foi feita a leitura do tópico nº 13. Por este ensinamento, a CCB, ao mesmo tempo em que incentiva a leitura da Bíblia, reforça o que passou a afirmar no seu credo oficial – A Bíblia contém a Palavra de Deus.

* 13. LEITURA DA BÍBLIA – (78ª ASS. 2013)

A irmandade deve possuir a sua Bíblia e hinário, levando-os ao culto. É necessário que todos os irmãos dediquem-se à leitura da Bíblia a fim de conhecer o seu conteúdo, pois nela está contida a Palavra de Deus. O apóstolo Paulo falou a Timóteo “persiste em ler” ( I – Tim. 4:13), e o Senhor Jesus disse aos Saduceus:  “Errais não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus”. (Mat. 22:29).

   Propositalmente, eu omiti este tópico no texto “Tópicos de Ensinamentos CCB-2013” porque… sei lá… queria comentá-lo separadamente pois foi o que mais me chamou a atenção ou que mais me incomodou.

   Engraçado que outros dois canais também publicaram a lista de ensinamentos sem o tópico 13. A lista foi repercutida com 15, quando são 16 os artigos. Teria o autor do Fórum CCBSEMCENSURAS copiado de mim, e o do COMUMCCB copiado dele? Que gafe! Deixa pra lá!

   Para a CCB a Bíblia não é mais a Palavra de Deus como ensinou por 96 anos; Agora a Palavra de Deus é CONTEÚDO da Bíblia. Já havia alertado sobre isso:

Sobre a Bíblia, em minha opinião, só existe uma afirmação: “Contém a Palavra de Deus”. As outras duas afirmativas referem-se à Palavra de Deus que ficou distinta da Bíblia pela primeira afirmativa. O “contendo” fez da Bíblia mero recipiente, e da Palavra de Deus um componente. (Ricardo x Romário).

O conceito de que a Palavra de Deus está contida na Bíblia fazem aqueles que são inseguros quanto a sua inerrância, infabilidade e inspiração. Dizer que crê na inteira Bíblia não é dizer que a Bíblia é totalmente inspirada, totalmente inerrante, totalmente infalível. Daí fazem a distinção entre Bíblia e Palavra de Deus.

Ora, se a Bíblia não é totalmente infalível, não é totalmente inerrante, não é totalmente inspirada, então está sobrando conteúdo na Bíblia. E se a Bíblia não expressa toda a vontade de Deus para o homem, então está faltando conteúdo à Bíblia.

Os teólogos liberais crêem dessa forma porque especulam, sem jamais terem provado, que a Bíblia foi manipulada, adulterada, acrescida, suprimida, não completada. Nela não haveria pureza, mas mistura, sendo, portanto, um produto final da razão humana e não da vontade divina. Mas nós somos da fé, cremos e sempre a professaremos como Palavra de Deus.

A CCB, até onde consegui apurar, tornou-se a primeira igreja na sua Declaração de Fé a fazer distinção entre a Bíblia e a Palavra de Deus. Vejo isto como um retrocesso doutrinário. Julgo errado editar um documento histórico e considero um desrespeito à memória dos redatores e dos que foram antes de nós. Ou aceitamos o original ou fazemos um outro exclusivo.

Pelo ensinamento ficou confirmado o que no Artigo 1º foi mudado. É bom o incentivo para a leitura bíblica, mas em minha opinião, o tópico ficaria bem melhor assim:

* 13. LEITURA DA BÍBLIA

A irmandade deve possuir a sua Bíblia e hinário, levando-os ao culto. É necessário que todos os irmãos dediquem-se à leitura da Bíblia a fim de conhecer a vontade de Deus, pois ela é a Sua Santa Palavra. O apóstolo Paulo falou a Timóteo “persiste em ler” ( I – Tim. 4:13), e o Senhor Jesus disse aos Saduceus:  “Errais não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus”. (Mat. 22:29).

Reflexão. “Entendes tu o que lês?” (Atos 8:30), perguntou Felipe ao eunuco quando lia O Profeta Isaías. Dado o ensinamento devemos acatá-lo integralmente como me disse o meu amigo? Poderemos, ao ler a Bíblia, entendê-la corretamente se a conceituarmos erroneamente?  Certamente você lerá mais o Livro Sagrado, mas qual será teu conceito da leitura que fará: É ou contêm a Palavra de Deus?

Leia também:  “O conceito sobre a Bíblia”

O conceito sobre a Bíblia

cropped-biblia.jpg

Assim que o hinário 5 chegou às nossas mãos, houve irmãos que atentaram para as mudanças ocorridas em três pontos de doutrina, a saber:

  1. O acréscimo da palavra “contendo” no primeiro artigo;
  2. A substituição da expressão “há três pessoas distintas” pelo verbo “estão” no artigo consecutivo;
  3. A inversão da ordem e a distinção feita entre regeneração e novo nascimento verificada no artigo 5.

Desde então, alguns de nós, têm discutido sobre a ortodoxia e outros aspectos dessas alterações. Os debates se concentraram mais no primeiro ponto que fala sobre a Bíblia, basicamente respondendo a esta pergunta: A Bíblia é ou contém a Palavra de Deus?

Depois de algumas discussões via Internet, notoriamente os defensores e os críticos da nova edição têm conceitos diferentes do básico – O que é a Bíblia?

Conhecemos a etimologia do vocábulo e suas possíveis designações, mas em matéria eclesiológica, Bíblia não é o livro por qual se paga e sim a mensagem que não tem preço; não é aquilo que compramos, mas aquilo que nos foi dado inspirada e milagrosamente; não é somente o palpável mas também o intangível.

Bíblia é como nós cristãos nomeamos nos dias atuais as Escrituras Sagradas compostas do Velho e Novo Testamento, referindo-nos diretamente ao texto inspirado ou mensagem revelada por Deus.

Visto que isto é ponto passivo, algo já concebido e que nunca trouxe conflito de idéias entre os crentes, achei que não fosse necessário discorrer sobre estas definições quando iniciamos nossos comentários e reflexões. Eu estava errado, este deveria ter sido o ponto de partida.

Os que defendem a redação editada têm se dirigido à Bíblia meramente como um produto gráfico. Já os que preferem a edição original, pronunciamos Bíblia em substituição às Sagradas Letras ou Escrituras Sagradas. Desse modo para eles a Bíblia contém enquanto que para nós a Bíblia é a Palavra de Deus.

Ora, todas as igrejas cristãs no mundo ao conceituar a Bíblia, o fazem pela concepção teológica, de modo que não há uma única Declaração de Fé em que ao falar da Bíblia, estejam se referindo ao livro, produto ou confecção gráfica. A CCB seria o primeiro grupo religioso a reportar-se à Bíblia dessa forma – pela etimologia em vez da teologia – na sua Declaração de Fé.

Este racionalismo* é totalmente estranho para todas as Denominações Evangélicas. Sob qual entendimento ou conceito você acha que foi redigido os “PONTOS DE DOUTRINA E DA FÉ QUE UMA VEZ FOI DADA AOS SANTOS”? Maximiliano Tosetto não se referia à encadernação humana e sim à revelação divina quando escreveu: “Nós cremos na inteira Bíblia e aceitamo-la como infalível Palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo”.

Lembrando que a CCB não se manifestou oficialmente, esta é apenas a opinião de alguns de seus membros que não acrescentaram ao raciocínio lógico o conceito teológico: A Bíblia (Escrituras Sagradas) é a Palavra de Deus.

Pelo mesmo motivo, há irmãos que entendem como alusiva, figurada ou metafórica a afirmação de que a Bíblia é, de fato, a Palavra de Deus.

Bíblia (do grego βίβλια, plural de βίβλιον,  transl. bíblion, “rolo” ou “livro”) é o texto religioso considerado sagrado para o cristianismo’. (Wikipédia) – Esta definição não foi extraída de um documento religioso, mas esta no entendimento eclesial e sentido literal.

Se cremos que as Escrituras Sagradas são verdadeiramente a Revelação de Deus, haveremos de professar que a Bíblia é literalmente a Palavra de Deus.

Existe a definição usual utilizada pelo homem natural para explicá-la materialmente, e a definição eclesial compreendida pelo homem espiritual para discerni-la espiritualmente.

Conquanto sua definição comum pode até ser interpretado que a Bíblia contém a Palavra de Deus, mas se torna uma heresia se conquanto sua designação espiritual for feita a mesma afirmativa.

O conceito que fazemos da Bíblia é também uma doutrina, portanto, é um erro grave defini-la materialmente em questões de fé. A ortodoxia aceita somente uma declaração sobre a Bíblia e seus atributos nos constrange professar:

A Bíblia é a Palavra de Deus – Inspirada, infalível, inerrante, completa e soberana. Esta é a fé apostólica que uma vez foi dada aos Santos.

*racionalismo – s. m. 1. Modo de considerar as coisas, sobretudo as intangíveis ou abstratas, só pelos dados da razão, fazendo abstração de qualquer suposta autoridade; 2.Sistema que pretende fundar os princípios religiosos nos dados fornecidos pela razão.

“Digais todos uma mesma coisa”

“Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer” (1 Co 1:10).

Aproxima-se a Assembléia Geral Ordinária – AGO, o Sínodo da Congregação Cristã no Brasil, a esta altura tudo o que será apresentado (não discutido) e deliberado (não por votação) já está determinado e muitos assuntos realmente importantes não virão ao conhecimento da irmandade como, por exemplo, o acordo com a Igreja da Romênia.

Hoje abrindo meus e-mails um comentarista confirmou minha expectativa sobre que não haverá nenhuma resposta à irmandade sobre a edição nos Pontos de Doutrina:

“Conversei com os anciães do Brás e perguntei porque não soltam circular? Disseram que somente alguns entre os milhares de crentes atentaram para isso e, soltando circular despertaria malícia em todos e, interpretariam errado a intenção do assunto. Por enquanto ficará assim, posteriormente se for necessário farão circular”.

A edição, principalmente, no 1º Artigo da nossa Declaração de Fé, provocou sentimentos de contrariedade em muitos irmãos. São insistentes aqueles que não vêem nenhum problema com a nova redação ao afirmar que não se alterou conteúdo.

Pois bem! Se não alterou a Declaração e a nova edição tem a desaprovação de muitos, seria razoável voltarmos à redação original já que havia consenso sobre ela e estaríamos assim cumprindo o que determina o verso áureo. Não acham?

O que está impedindo a união com a Igreja da Romênia?

Não sabemos tudo porque oficialmente nada nos foi passado. Mas se a Congregação Cristã no Brasil – CCB pretende realmente se unir à igreja romena terá que voltar atrás e continuar professando sua fé com a redação original dos “Pontos de Fé e Doutrina Que Uma Vez Foi Dada Aos Santos”.

“( Confissão de BCER-UBCE*

União dos Evangélicos Cristãos na Romênia

 I – Bíblia

     Nós cremos e confessamos que a Bíblia ou Sagrada Escritura é a Palavra de Deus inspirada plena e verbalmente, que foi escrita por homens movidos pelo Espírito Santo. É verdade que sem erro humano ou ainda na sua forma original, digna de confiança, e é, portanto, suprema autoridade espiritual em todas as áreas em todas as áreas da vida.

     Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento – os 66 livros canônicos – é a revelação especial, completa e final de Deus (2 Tm 3:16,17; 2 Pe 1:19-21). Qualquer intervenção humana, adição ou omissão posterior, prejudica a revelação das Escrituras (Ex 20:1; Dt 4:2, 12:32, 29:1; Pv 30:6; Jr 36:1,2; Gl 1:11,12; Ap 22:18,19).

     Cremos e confessamos que todo texto bíblico pode ter apenas uma interpretação, embora muitas aplicações. O crente tem a responsabilidade de aprender a mensagem pretendida pelo autor original, o Espírito Santo. O significado da Escritura pode ser encontrado por um estudo cuidadoso de cada passagem separadamente, usando os métodos corretos de interpretação bíblica (lexical — estudo gramatical, histórico e contextual) com oração, fé e a iluminação do Espírito Santo (João 7:17, 16:12-15, 1 Co 2:7-15, 1 João 2:20).

II – DEUS

     Nós cremos e confessamos que há um só Deus eterno, vivo, verdadeiro (Dt 6:4; Is 45:5-7; 1Co 8:4). Espírito Infinito, Pessoal e Soberano; Criador, Sustentador e Mestre. Infinito em glória e santidade não pode ser totalmente restaurado [definido; compreendido] em palavras humanas. Deus é digno de toda adoração e confiança, todo amoroso e perfeito em todos os seus atributos divinos.

     Cremos e confessamos que o Deus único existe em três pessoas distintas da mesma essência e substância: O Pai, O Filho e O Espírito Santo, são co-iguais e co-igual e eternamente trabalham em harmonia para cumprir seu plano eterno (Ex 20:2-3, Mt 28:19; 2Co 13:14; Ap 4:11)

 

IV – Salvação

D. O novo nascimento ou regeneração

     Nós cremos que o novo nascimento (regeneração espiritual) é o trabalho sobrenatural do Espírito Santo pela qual ao homem é dada uma vida e um nova natureza (Jô 3:3-7; Tt 3:5; 2 Pe 1:3,4).

     Isto é feito pelo poder do Espírito Santo, por meio da Palavra de Deus (Jo 5:24; Rm 10:13-17) quando o pecador ouve, recebe e responde positivamente. A regeneração é manifestada por atos de arrependimento que são vistos na mudança de atitude e comportamento justo e não no falar em línguas e outros dons milagrosos (Rm 12:3-8; 1Co 12:4-11, 13:8-10; 2 Co 12:12; Ef 4:7-12; Hb2:1-4; 1Pe 4:10,11).

     As boas obras são o resultado do novo nascimento (Mt 7:16-20; 1Co 6:19,20; Ef 2;10), o crente nascido do Espírito Santo é submisso e obediente à Palavra de Deus (Ef 5:17-21; Fl 2:12; Cl 3:16; 2Pe 1:4-10). Esta obediência faz o salvo mais parecido com o Senhor Jesus (2Co 3:18). Seremos perfeitos quando glorificados na volta de Cristo (Rm 8:17; 2Pe 1:4; 1Jo 3:23). )”

1. Para os romenos a Bíblia tão somente É a Palavra de Deus;

2. Aceitam o que está convencionado sobre a Trindade: “Há três pessoas distintas”;

3. Não fazem distinção entre regeneração e novo nascimento.

*pode haver erros de tradução

O que dizer disso:

“Esse assunto (“CONTENDO)” é simples e está correto dessa forma, senão vejamos:

A bíblia, com o seu conjunto completo de livros, contém nela impressa palavras proferidas pelo homem, palavras proferidas por Deus e até palavras proferidas pelo malígno. A bíblia não reflete, somente a palavra pronunciada pelo Senhor isto é, a Palavra inspirada e infalível de Deus.

Lemos trechos onde os homens de Deus expressam a sua vontade, contradições, pensamentos e intenções. Algumas passagens relatam mesmo o diálogo do malígno, onde ele, expressa a sua voz como se lê nos livros de Jó, Mateus, Lucas, entre outros capítulos.

A bíblia, embora divinamente inspirada, não possui registradas unicamente a vontade de Deus; não são todas as passagens ali narradas que revelam a índole do Senhor.

Encontramos, juntamente com as revelações sublimes, com os milagres e prodígios, o testemunho do caráter humano e de suas fraquezas.

JÓ 01:7 … E Satanás respondeu ao Senhor, dizendo: De rodear a terra, e de passear por ela.

9 … Então respondeu Satanás ao Senhor, e disse: Porventura Jó teme a Deusdebalde?

MATEUS 04:3 – Chegando, então, o tentador, disse-lhe: Se tu és Filho de Deus manda que estas pedras se tornem em pães.

Muitos outros trechos………………

Evangelista Cristão” – (comentário em “Ricardo x Romário”)

“Esse assunto (“CONTENDO)” é simples e está correto dessa forma… A bíblia não reflete, somente a palavra pronunciada pelo Senhor isto é, a Palavra inspirada e infalível de Deus” – O que dizser disso?

SEM COMENTÁRIOS!!!

A resposta do reverendo

rev Hernandes Dias lopes presbiteriana igreja

Reverendo Hernandes,

Sou membro da Congregação Cristã no Brasil, que tinha segundo a revista Defesa da Fé do Instituto Cristão de Pesquisas – ICP, uma declaração de fé “inquestionável”. Mas recentemente a CCB fez alterações no seu credo doutrinário incluindo a palavra “contendo” no primeiro artigo, passando a declarar que a Bíblia contém a Palavra de Deus. Tenho combatido muito esta afirmação no meu blog BEREIANO, mas muitos são a favor dizendo que não muda nada. Pergunto: A Bíblia é, contém ou, é e contém ao mesmo tempo, a Palavra de Deus?

***

Ricardo,

Esta expressão “a Bíblia contém a Palavra de Deus” é bartiana*. Esse é o pensamento neo-ortodoxo. Certamente a Bíblia É a Palavra de Deus. (João 17:17).

Hernandes

Em 09 de fevereiro de 2013.

*bartiana – ou teologia “dialética” de Karl Barth.

resposta hernandes