É ler para crer!

aconselhamento1-460x345TÓPICOS DE ENSINAMENTOS PARA REUNIÃO DE DIÁCONOS – 1978

24 – IRMÃS CONSELHEIRAS DA OBRA DE PIEDADE

Devemos ter sempre a palavra de amor e da salvação em nossas bocas para confortar aqueles que porventura estejam em aflição, tribulação ou tentação, porém sem se intrometer na parte íntima das famílias.

O aconselhamento cristão é uma forma de assistência espiritual e psicológica, geralmente prestada por crentes mais antigos a novos convertidos, onde a Palavra de Deus é levada aos lares e aplicada de maneira individual ou familiar para atender a uma necessidade específica.

A impressão que fico é que regredimos. Nos limitamos a aconselhar:  “Busque a Palavra [no culto] e Deus falará sobre sua necessidade”. Ora há tantos assuntos que não são falados na igreja. Há tanta gente em desespero precisando de uma orientação.

Fui especular sobre os ensinamentos deste ano e conversando com alguns servos de Deus, me relataram que na reunião do ministério do dia 14/04/13 em Araraquara-SP foi exortado ao ministério LER, ORAR e VISITAR.

Foi comentado que o homem do púlpito deve ser homem de oração, de leitura bíblica e visitação. Comentou-se que muitos não devotam tempo para a leitura da Bíblia, não fazem intercessão pelo povo e estão afastados da irmandade.

Mesmo sabendo que existe uma distância entre teoria e prática, fiquei tão contente que esqueci de perguntar sobre os tópicos de ensinamentos.

aconselhamento

Leia também: “Grupo de Visitas”

Anúncios

Comentários em: "Aconselhamento cristão – um ministério esquecido" (16)

  1. Então, sabádo leu na minha comum, mais infelizmente acabei não congregando, queria saber também os tópicos lidos.

  2. Ricardo,

    Retornando ao verdadeiro Evangelho. Isso é ótimo.

    Mas Visita de aconselhamento, só mesmo depois de leitura da Bíblia e oração mesmo… tenho visto por aí uns conselhos que mais matam do que dão vida…

    Assim que tiver algo sobre os tópicos deste ano, compartilhe.

    Deus te abençoe.

  3. Eu Até concordo, não é uma mIssão especifica das Irmãs da Piedade, o Papel de uma conselheira cabe muito bem. Existe familias absoletas e até excluida da comunhão da Igreja por falta de aconselhamento, Os Cooperadores fazem o Papel de Promotor Publico, os Diáconos agem como delegados, e os Ancião fazem o Papel de Juizes para editar a sentença. Tenho observado que o Ministério não sabe reconhecer pra que vieram, e sua missão é de resgatar, restaurar almas para Cristo, e não jogar na Boca lo Lobo, e deixar ser preza facil do Inimigo, perdoa minha fraqueza, mais conheço bem a Vida Ministerial, Paulino

    • bereiano disse:

      No nosso costume quando alguém ou alguma família está pasando por algum ‘quadro’ difícil, pede uma reunião onde é feito similarmente como na igreja: irmandade, músicos e pregação que geralmente é genérica (para todos os presentes) sem aconselhamento.
      Essas reuniões cumpre bem sua função quando o irmão não pode congregar mas quando há alguma situação que necessita socorro, é onde entraríamos com o aconselhamento.

  4. Não sei se a ver com o tópico.

    Mas outro dia, coisa de um mês atrás, conversei com um diácono antigo (coisa de 20 e pouco anos de ministério), e disse a ele que faltava na CCB uns cultos de ensinamentos específicos pra família, aconselhamentos, pois na Bíblia tem tudo, finanças, relacionamentos no trabalho etc, não só parte sexual.

    Ele me respondeu que a igreja não se envolve nisso, nossa preocupação é com a salvação espiritual apenas.

    Diante disso, não deveria, mas fiquei quieto.

    Sei lá irmão Ricardo, falta tanta coisa, na verdade agente só pode dar o que tem.

    A Paz.

    Claudio (ovelha, CCB Min Brás, por enquanto)

    • bereiano disse:

      No Blog JOVEMCCB muitos me escrevem contando suas ansiedades, angústias e dúvidas, e comentam: “Há muito tempo busco a Palavra [no culto] sobre minha necessidade e Deus não fala comigo”.
      No entanto, a Bíblia me diz que Deus não despede-nos vazios. Há assuntos que realmente precisam ser conversados e dada orientação em particular.

      • Sim irmão Ricardo.

        Visito o blog JOVEMCCB, vejo a angústia.

        Quando disse acima que fiquei quieto é pq diante de uma ditadura dessa em nossa igreja, o que podemos fazer nós?

        É orar, discutir e pedir a Deus algum tipo de sabedoria para quando conversarmos com alguem nessa situação que menciona, tenhamos uma palavra amiga, conforto, e apoio, pois é isso que muitos deles procuram e as vezes não encontram.

        Se foi para a liberdade que Cristo nos libertou, então sejamos livres disso tudo ai, problemas, conte pra Deus, e procure se relacionar com as pessoas e nunca se isolar.

        Daniel tinha seus 3 amigos (os da fornalha).

        Os relacionamentos são tão importantes que Deus, após o pecado do homem no Éden, tratou de elaborar um plano que culminou na morte e ressurreição de seu único Filho, tão somente para voltar a se relacionar com o homem.

        A igreja tem se colocado como um obstáculo nessa tarefa de aconselhamento, como já disseram por aqui, quando alguem bate à nossa porta com um problema, tudo que fazemos é mandá-la de volta e “buscar a palavra”, isso alem de beirar a heresia, atesta nossa covardia em demonstrar o amor que está em nós.

        E a pessoa sofrida se senta no culto e vem uma daquelas palavras de maldição, de morte tão defendida no outro tópico, e dai?

        A Paz.

        Claudio (ovelha, CCB Min Brás, por enquanto)

    • A vida espiritual não pode ser fragmentada e dissociada das outras ‘funções’ pois nela está envolvido todo um conjunto de fatores sociais, morais, emocionais e psicológicos. O ser humano é um ser holístico onde estão as partes de um todo físico, mental e espiritual. Não dá pra separar as partes. A espiritualidade de alguém é refletida no meio em que vive. Ela não é pra ser ‘tratada’ de forma isolada para que se tenha salvação.

      Certa vez eu vi alguém (até bem esclarecida) perguntar o que tem a ver espiritualidade com negócios.|(Referindo-se a um livro, se não me engano da autoria do Ed René Kivitz) A minha resposta foi: Tem tudo a ver!!! A vida prática cristã é o verdadeiro ‘termômetro’ da nossa espiritualidade, refletindo e influenciando em todas as atividades do homem e sua vida relacional.

  5. Márcio José Sérgio Ermida disse:

    Essa resposta sobre se buscar a salvação espiritual apenas, venho escutando desde que me converti. Parecem inflexíveis em questões que saem do que “aprenderam”.

    Oração neles! Já que conversar não adianta…

    • Infelizmente, não ‘parecem’, apenas.

      São mesmo inflexíveis em qualquer questão que foge do que lhes foi ensinado.

      O nome disso é fundamentalismo. A ironia é que Deus não é fundamentalista, mas o homem, sim, é fundamentalista.

      Oremos!

    • Irmão Márcio, são inflexíveis.

      Pra tratarem da suas doutrinas, os fundamentalistas dizem que encontraram até os originais das Escrituras, veja lá no tópico do véu.

      Curioso é que nesta mesma Bíblia encontramos conselhos pra tudo, pois lá vemos a indicada postura de um cristão, como tratar as questões do mundo, psicológicas, biológicas, sociológicas, financeiras, Paulo fala do relacionamento marido e mulher, como você deve se portar com seu patrão e empregado, amigos, na igreja, enfim, tudo.

      Nossa CCB precisa entender que a questão da salvação já foi resolvida na Cruz, a mesma Bíblia do véu fala de Cristo na cruz.

      A Bíblia nada mais é do que a história do resgate do homem, do amor de Deus, pode ser resumida em Jo 3:16.

      O homem se nega a entender o significado da morte de Cristo.

      Uns adoram a cruz (madeira), Maria, Herodes, Pilatos, Caifás, Simão o cireneu, Dimas, João, Paulo…

      E agente se vangloria colocando nossa doutrina em evidência deixando o sacrifício do calvário no rodapé.

      Nossa lista de ensinamentos parece aqueles contratos bancários antigos, onde a cláusula mais importante ficava quase invisível.

      E a ovelha vai seguindo sem rumo, temos uma falta de amor ao próximo de dar gosto !

      A Paz.

      Claudio (ovelha, CCB Min Brás, por enquanto)

  6. “24 – IRMÃS CONSELHEIRAS DA OBRA DE PIEDADE
    Devemos ter sempre a palavra de amor e da salvação em nossas bocas para confortar aqueles que porventura estejam em aflição, tribulação ou tentação, porém sem se intrometer na parte íntima das famílias.”

    Tem pessoas se valendo disso para servir de leva-e-traz para o púlpito.
    Dura realidade.

    • A ideia é essa, cria-se a lei imoral para depois se valer dela para praticar a imoralidade, entendeu agora?

      A Paz.

      Claudio (ovelha, CCB min Brás, por enquanto)

    • Infelizmente, é o que mais acontece e, na minha opinião, recebe um nome: fofoca.
      Como já falei dias atrás, tal atitude me traz à mente o que diz Deus sobre isso em Provérbios 6:16.19.

      Isso é muito sério diante de Deus, mas as pessoas não estão nem aí, já que para elas a única coisa importante é estarem observando ‘ensinamentos’ relacionados à sua exterioridade.

      Enquanto algumas pessoas se ocupam em se esmerar na performance de falso-piedosas, vão fazendo ouvido de mercador ao que disse Jesus em Marcos 7, por exemplo.

  7. Helen Simoes disse:

    O conselheiro cristão deve usar a Bíblia na hora do aconselhamento?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: