É ler para crer!

A pregação da fé

A salvação é uma dádiva de Deus para o pecador. O batismo com o Espírito Santo – me refiro à experiência com evidência de falar novas línguas – é uma dádiva de DEus para Seus filhos. A pregação da Palavra que produz fé para o recebimento da salvação (Rm10:10-17), é também o meio de estimular a fé para receber tal batismo. Paulo desafiadoramente perguntou aos gálatas: “Recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé?” (Gl 3:2).

A fé certamente é um dos grandes fatores para um servo de Deus ser cheio do Espírito Santo e receber a ‘promessa’. Mas esta fé não deve ser uma espécie de coisa indefinida. A verdadeira fé deve estar efetivamente baseada na Palavra de Deus.

Se hoje falo em línguas, é porque primeiro ouvi  sobre línguas. Porque a pregação despertou-me o desejo em receber tal benção. Não havendo pregação, a fé não será estimulada. Não que dependa do homem, mas homens inspirados pelo Espírito, falam das grandezas de Deus. Onde há pregação, há fé, há línguas; Onde é negligenciado o ensino enfático quanto o batismo com o Espírito Santo, mesmo nos meios pentecostais, desaparece o interesse ardente por esta benção, e onde não há mais pregação nesse sentido, ninguém crê e ninguém recebe. Tenho constatado que na Congregação Cristã no Brasil, quanto menos se fala de linguas, menos se fala em línguas. E o dom almejado vem tornando-se dom desprezado.

A fé pode ser incentivada e fortelecida pela pregação, leitura e meditação nas promessas do Pai quanto ao revestimento com poder. O batismo com o Espírito Santo não pode ser tratado somente como teoria ou possibilidade remota, mas como algo indispensável do Senhor para seu povo. Precisa ser uma experiência vital para o crente e para a igreja, pois é um dom divino para os salvos em Jesus. Deus pode tornar suas promessas especialmente reais para aquele que busca com sincero coração, fé e íntima comunhão: “Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar” (At 2:39).

Memorize: Quanto menos se fala ‘de’ línguas, menos se fala ‘em’ línguas

 

Anúncios

Comentários em: "A pregação da fé" (1)

  1. Henrique P disse:

    Amigo,

    Que a Paz de Deus esteja contigo.

    Entendo a tua preocupação com o dom de línguas ser válida, mas gostaria de saber se é realmente imprescindível haver esse dom.

    • Sabemos que o único dom que subsistirá é o dom da Caridade.
    “A caridade nunca falha: mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;” 1Cor 13:8

    • Sabemos que a fé é imprescindível ao cristão:
    “Ora, sem fé {é} impossível agradar-lhe: porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam.” Hebreus 11:6

    • O dom de Profecia é maior do que o dom de línguas (se não houver intérprete):
    “E eu quero que todos vós faleis línguas {estranhas}, mas {muito} mais que profetizeis, porque o que profetiza é maior do que o que fala línguas {estranhas}, a não ser que também interprete para que a igreja receba edificação.” 1Cor 14:5

    • Por analogia podemos ver que o dom de interpretação é mais útil que o dom de línguas, para que assim o dom línguas possa ser interpretado:
    “Assim também vós, se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que se diz? porque estareis {como} que falando ao ar.” 1Cor 14:9

    • Cremos que todos os dons são inspirados pelo Espírito Santo, como encontramos em 1Cor 12, versos 3 a 10:

    3 Portanto vos quero fazer compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: Jesus é anátema, e ninguém pode dizer que Jesus {é} o Senhor, senão pelo Espírito Santo.
    4 Ora há diversidade de dons, mas o Espírito {é} o mesmo.
    5 E há diversidade de ministérios, mas o Senhor {é} o mesmo.
    6 E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.
    7 Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.
    8 Porque a um pelo Espírito é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência;
    9 E a outro, pelo mesmo Espírito, a fé; e a outro, pelo mesmo Espírito, os dons de curar;
    10 E a outro a operação de maravilhas: e a outro a profecia; e a outro o {dom} de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas.

    Assim sendo, digo que concordo com o teu post, mas não somente ao dom de línguas, mas aos demais dons também. Quanto mais se fala de Deus, do Seu poder, dos Seus dons, mais a igreja será revestida das Coisas de Deus. Quanto mais se falar de materialidades (emprego, problemas familiares, sucesso material), menos espiritual será a igreja.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: