É ler para crer!

Primeira quinzena do ano e vimos várias trajédias acontecerem. Por aqui a água (enchentes) é que destroi, noutros países é o vento (geadas), no Haiti é a terra mata (terremotos).

Em meio as trajédias alguns heróis se destacam. Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança, viveu e morreu ajudando pessoas. Fiquei incomodado com o Nobel da Paz recebido por Obama sem saber porquê; ao ouvir a notícia da morte desta brasileira descobri o motivo – Obama teve intenção; Arns teve ação. Zilda mereceu, mas foi Obama que recebeu, na minha opinião a brasileira ganhou mas o americano que levou.

O exército brasileiro há alguns anos está em missão de paz no Haiti. Lembro-me de uma cena que vi numa reportagem tempos atrás; crianças orfãos por causa dos conflitos ao verem qualquer soldado brasileiro chamavam – “Papai, papai”. E a inocência e carência das peladinhas e desnutridas crianças faziam nossos bravos combatentes chorarem. Elas os adotaram, agora as mesmas choram pela morte dos seus pais adotivos juntamente com as mães brasileiras.

O braço forte do soldado e a mão amiga de Zilda Arns, confortaram crianças haitianas e tiveram a mesma bravura.

Pastoral da Criança

SOU CCB, SOU 100!

Anúncios

Comentários em: "Dor no Haiti – Comoção no mundo" (5)

  1. GOSTARIA DE SABER SE A CONGREGA cristã no brasil ai no haiti.
    e como posso ajudar.

    • Não sei se a CCB está presente no Haiti.
      Com tantos brasileiros – ongs,exército,voluntários,embaixada – fica mais fácil a igreja enviar missões. A CCB poderia aproveitar a logística criada por esses órgãos.

      Um país que tenho orado bastante é o TIMOR-LESTE, lá o exército brasileiro também se faz presente.

      “Não existe igreja pequena que não possa fazer missões; Existe igreja pequena por não fazer missões”.

  2. As ações da de Zilda Arns realmente fizeram a diferença e servem de exemplo a todos os cristãos.

    Sim, a CCB está presente no Haiti, no CCB Sem Censuras tem um breve relato do inicio da obra naquele país.

    • Início da CCB no Haiti. (extraído do fórum: ccbsemcensuras)

      Prezados irmãos, a Paz de Deus.

      Deus preparou uma viagem para mim, minha esposa, irmão Paulo César Silvestre (músico e instrutor da minha congregação) e sua esposa para os países República Dominicana e Haiti.

      Saímos de viagem em 11/01/2009 (domingo) às 04:40 horas da manhã, fizemos uma conexão no Panamá e seguimos para a República Dominicana. Chegamos na República Dominicana às 15:18 horas do Brasil (lá eram 13:18 horas, por causa do fuso horário e do horário de verão), o irmão Domingos (cooperador da congregação na cidade de San Cristóbal) nos levou para a congregação. Congregamos nesta congregação 3 vezes: 11, 14 e 28/01/2009. No dia 13/01/2009 (terça-feira) chegaram na República Dominicana os irmãos Josebias (ancião de São Paulo – Vila Carrão), Valdir Peruzetto (encarregado regional de Santo André), Jânio (cooperador na cidade de Pouso Alegre – Minas Gerais) e as irmãs Dorcas (esposa do irmão Josebias) e Mariângela (também da Vila Carrão).

      No dia 15/01/2009 (quinta-feira), eu, o irmão Paulo, nossas esposas e o irmão Jânio viajamos de ônibus para o Haiti, cidade de Porto Príncipe. Foram 6 horas de viagem. Nosso irmão Jânio é cooperador em Minas Gerais, trabalhou na Força de Paz da ONU no Haiti, é intérprete de francês e evangelizou algumas almas no Haiti.

      Os idiomas oficiais do Haiti são crioulo haitiano (língua nativa) e francês. As crianças aprendem o francês nas escolas. A escola pública é paga, os pais precisam pagar “un peu” (um pouco) por semana. Se não pagar, o aluno não entra em aula. Além disso, não tem merenda escolar. Nós vimos muitas crianças indo para a escola. Um problema grave no Haiti é a falta de emprego. Nos falaram que 80% da população não tem emprego.

      Vimos muita pobreza. Falta comida, falta água, não tinha saneamento básico e pouca energia elétrica. Os que podem tem geradores.

      No Haiti ainda não tem congregação. Houve um batismo em 25/05/2008 e o Senhor chamou 12 almas. Após o batismo ficaram 2 irmãos cooperadores: irmão Rolin e irmão Azor, ambos solteiros. Alguns dias após o batismo, os irmãos retornaram ao Brasil e nossos irmãos haitianos ficaram se reunindo num local que tem uma construção inacabada, onde só tem as paredes, não tem teto e o piso era cheio de pedras.

      Ficamos no Haiti de15 a 27/01/2009 (13 dias) e foram realizados 12 cultos, pois era necessário ensinar tudo para os irmãos. Eles não sabiam responder a saudação com a Paz de Deus. O próprio cooperador respondia “merci” (obrigado). Várias vezes falamos para ele que a resposta era o “amém”. Os cultos iniciavam às 17:00 horas, pois como não tinha energia elétrica, por volta da 18:00 horas já estava muito escuro.

      Os primeiros cultos (16, 17 e 18) não tiveram testemunhos. No culto do dia 19 (segunda-feira), o irmão Jânio disse que faria o culto completo para eles conhecerem o andamento do culto. Foi aberta a liberdade dos testemunhos e eu levantei para testemunhar. Assim que terminei o testemunho, a irmandade respondeu com o “amém” e bateram palmas. O irmão Jânio precisou ensinar que não se batia palmas nos cultos.

      Começamos as aulas de música em 17/01/2009 (sábado). Foram 10 dias de aula de música. Tínhamos aula das 09:00 às 11:00 e depois das 14:00 às 16:00 horas. Após a aula da tarde, íamos direto para o culto. O Senhor nos abençoou, foram 17 irmãos (6 mocinhas e 11 mocinhos) que se apresentaram para estudar a música. Alguns foram apenas uma vez, mas o Senhor preparou que deixamos 5 irmãos com instrumentos.

      Aqui o Senhor fez uma maravilha. No dia 21/01/2009 (quarta-feira) levamos 2 clarinetas para 2 mocinhos que chegaram nas lições 45 e 46 do Bona. No dia 22/01/2009 (quinta-feira) levamos 1 clarineta para um mocinho que chegou na lição 44 do Bona. No dia 23/01/2009 (sexta-feira) tratei com o irmão Paulo que dispensaríamos os demais irmãos e ficaríamos apenas com os 3 irmãos que estavam com clarineta. Para nossa surpresa, na parte da manhã, um mocinho que estava na lição 05 do Bona, foi até a lição 45. Na parte da tarde sentimos de deixar este irmão com um saxofone. Depois disto, no dia 25/01/2009 (domingo) deixamos um violino com uma menina que foi até a lição 45 do Bona.

      O Senhor trabalhou nesta parte. Nossos irmãos ainda não sabem cantar todos os hinos e ensinamos algumas coisas para estes mocinhos sobre o hinário de música. Deixamos com eles 2 hinários de música em francês.

      No domingo (25/01/2009) houve batismo e o Senhor chamou 23 almas (12 irmãos e 11 irmãs). Muitas pessoas congregam mas não podem batizar por causa do casamento. O casamento é muito caro e por causa disto, muitos vivem maritalmente sem o casamento. Para terem uma idéia, as despesas de cartório para se casar são de US$ 450,00 (quatrocentos e cinqüenta dólares – mais de R$ 1.000,00). O batismo iniciou às 15:00 horas e após o batismo houve a primeira Santa Ceia no Haiti. Participaram da Santa Ceia 40 almas (23 irmãos e 17 irmãs). Foi tudo muito bonito, o Senhor nos visitava com grande alegria vendo aquele povo, sem dinheiro, sem alimento, sem água, mas com o amor de Deus nos seus corações. Glória a Deus.

      Saímos do Haiti em 28/01/2009 (quarta-feira) e retornamos à República Dominicana. Na quinta-feira (29/01/2009) congregamos na cidade de Sabana Grande de Boya – Sector Santa Rosa. É uma congregação de madeira, onde houve o primeiro batismo na República Dominicana. Este local é uma aldeia de haitianos e a maioria é de velhinhos. O culto começou às 15:00 horas e a congregação ficou lotada. Após o culto passamos na casa do irmão Junior, cooperador desta congregação.

      Retornamos ao Brasil em 31/01/2009.

      O Senhor nos abençoou muito nesta viagem, já sentimos saudades daqueles irmãos. Oremos por eles e por aquelas nações. O Haiti teve uma guerra civil recentemente e também foi acometido por furacões. No local que ficamos raramente a gente encontra uma casa concluída. As construções são muito caras, pois gastam muito com cimento para reforçar as paredes, por causa dos furacões e tormentas que ocorrem frequentemente no país. As poucas ruas que são asfaltadas não estão conservadas e lixo pelas ruas.

      A condução deles é chamada de tap-tap. Vou mandar fotos com a tap-tap que utilizamos na nossa estadia. Quando estávamos indo para o primeiro culto, não tínhamos condução. Saímos do hotel e ficamos na beira da avenida esperando alguma condução. Não tinha. O Senhor preparou um casal de namorados que nos viram, pararam o carro e perguntou se estávamos com problemas. O irmão Jânio conversou com eles e o moço foi nos levar ao local do culto. Após o culto, um senhor com um tap-tap nos procurou dizendo que queria “trabalhar para Jesus” e que nos levaria ao hotel. Aproveitamos a oportunidade e contratamos para ele nos levar e buscar todos os dias ao local do culto.

      Agradeço a Deus por esta viagem e Deus seja louvado.

      Deus abençoe a todos nós, orem por nós e pelos nossos irmãos nestes países.

      Luiz Carlos Monteiro (Lau) – Osasco – Km 18

  3. Tremor no Haiti – três atitudes cristãs: chorar, orar e ajudar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: